Projetos

Pobreza rural em Honduras

dezembro de 2003 - setembro de 2004

Este é um estudo desenvolvido sob demanda do governo hondurenho, que precisa desenvolver intervenções efetivas no combate à pobreza rural. Os financiadores são o escritório hondurenho do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento - PNUD e a Universidad Nacional Autónoma de Honduras.

Assim sendo, o objetivo primordial deste estudo é investigar a prevalência e os determinantes da insuficiência de capacidade efetiva de geração de renda das famílias em áreas rurais hondurenhas e indicar possíveis rumos para a política de combate à pobreza rural.

Para tanto, investiga as transformações ocorridas tanto na agricultura, quanto no mercado de trabalho. Embora as relações de causalidade entre as transformações ocorridas na produção agrícola, no trabalho agrícola e na pobreza rural fluam em todas as direções, a fim de limitar o escopo deste estudo, concentraremos nossa atenção apenas naquelas relações que julgamos mais centrais. Assim, veremos a produção agrícola muito mais como um determinante do trabalho agrícola do que como sendo determinada por ele. Da mesma forma, veremos o trabalho agrícola muito mais como um determinante da pobreza rural do que sendo determinado por ela.

Assim, embora reconheçamos que os comportamentos do trabalho agrícola e da pobreza rural tenham influenciado o desempenho da produção agrícola pelo menos na medida em que os salários dos trabalhadores agrícolas afetam o custo de produção e que o grau de pobreza rural influencia a oferta de trabalho agrícola, neste estudo, estes impactos reversos não serão investigados. A atenção se concentra no fluxo clássico, onde (a) as transformações na tecnologia e preços agrícolas determinam mudanças na produção e no trabalho agrícola e (b) este, por sua vez, determina a evolução da pobreza rural.

Apesar destas duas relações serem o centro da análise, em ambos os casos, consideramos também a presença de outros fatores determinantes. Assim, no caso da evolução da remuneração do trabalho agrícola, além de analisamos a influência das transformações na demanda por trabalho, analisamos também o impacto (i) das mudanças na qualidade dos postos de trabalho, (ii) das melhorias da qualificação dos trabalhadores e (iii) das mudanças no grau de integração entre os mercados de trabalho agrícola e não-agrícola. No caso do declínio na pobreza rural, além das transformações por que passou o trabalho agrícola, consideramos como possíveis fontes explicativas adicionais: (i) a expansão das transferências de renda, (ii) o crescente engajamento das populações rurais em atividades não-agrícolas, e as (iii) transformações demográficas ocorridas no período.