Projetos

Manual de melhores práticas educacionais para o ensino fundamental

julho de 2009 - em andamento

Contexto

As oportunidades educacionais estão, sem dúvida, na base de uma sociedade mais justa, igualitária e desenvolvida. A ampliação do acesso à educação fundamental, que teve início desde os anos noventa, e mais recentemente as ações do Plano de Desenvolvimento da Educação, colocam as crianças cada vez mais em posição central nas políticas públicas do país.

Embora o acesso tenha melhorado, muito ainda se tem a fazer. Primeiro porque ainda não temos toda a população em idade escolar matriculada em escolas. Na medida em que vão restando poucas crianças de fora, o desafio para a inclusão se torna maior. Segundo porque é preciso cuidar mais do aprendizado e desenvolvimento daquelas que já estão na escola.

A questão é o que fazer para conseguir melhor desempenho educacional das crianças?

São inúmeras as alternativas, que vão desde a melhoria no ambiente familiar, até as mudanças nas escolas e Secretarias de Educação. Se nos concentrarmos na escola, o repertório de insumos, como material didático, professores e equipamentos, é extenso. Como cada insumo afeta o desempenho das crianças? Em quais vale a pena investir mais?

Objetivo

Atualmente, existe um conjunto significativo de estudos que identificam quais insumos na escola têm maior impacto sobre o desenvolvimento educacional das crianças. Considerando a produção científica sobre esses temas no Brasil, bem como a literatura internacional, contamos com um quantitativo amplo de obras.

Este projeto pretende descrever uma metodologia de trabalho que permita construir, a partir desses estudos, um manual de melhores práticas para os gestores da educação e para as famílias.

Para cada estudo inventariado, será produzido um resumo padronizado, o qual registrará as conclusões e características da metodologia adotada. Ao final, os resumos alimentarão um aplicativo computacional (disponibilizado via web) de monitoramento da produção científica sobre os determinantes do bom desempenho educacional.

Tal sistema informará aos usuários o que se sabe com base científica sobre as melhores práticas nas escolas e em que circunstâncias essas práticas se mostraram adequadas. Diversos tipos de busca poderão ser efetuados e a atualização poderá ocorrer em bases anuais. Cada busca oferecerá ao usuário dois produtos: um pequeno texto contendo uma meta-análise de todos os estudos sobre o tema procurado e mais os respectivos resumos dos estudos na íntegra.

Critérios para inclusão de estudos

Os objetivos da educação são amplos e o progresso educacional pode ser medido ao longo de uma infinita variedade de dimensões. Nesse trabalho, foram considerados apenas os resultados diretamente relacionados ao menos a uma das cinco metas do Compromisso Todos pela Educação. De forma mais explícita, o objetivo do projeto é organizar a evidência empírica acerca dos fatores capazes de estimular a freqüência de crianças e jovens à escola, promover o aprendizado e a promoção às séries subseqüentes e, por conseguinte, a conclusão com sucesso da educação básica por todos.

A avaliação de cada obra a ser incluída no manual seguirá os seguintes onze passos:

  1. Descrição dos indicadores de desempenho utilizados, os quais precisam estar diretamente relacionados a alguma das cinco metas do compromisso Todos pela Educação.
  2. Descrição dos fatores determinantes do impacto cujo estudo busca identificar e estimar, os quais precisam estar sob controle da escola ou secretarias de educação.
  3. Descrição da base de informações utilizada, incluindo unidade de análise, tamanho da amostra, universo que busca representar, variáveis que existem na base de informação que são efetivamente utilizadas para a avaliação do impacto.
  4. Validade externa da avaliação: a que população o impacto estimado se refere?
  5. Descrição da estratégia explícita ou implícita para a identificação do impacto.
  6. Argumentação utilizada para justificar as hipóteses centrais necessárias à identificação do impacto (tipicamente as hipóteses de exclusão)
  7. Descrição da metodologia utilizada para a estimação de impacto.
  8. Descrição do tipo de impacto que se está estimando. Estamos estimando o impacto sobre os beneficiários ou sobre um subconjunto deles, sobre a população total, sobre os que ainda não foram beneficiados ou uma parcela deles?
  9. Descrição das variáveis utilizadas como controle e implicações para a interpretação do impacto estimado (impacto total versus impacto direto).
  10. Mapa de impactos com as unidades devidamente padronizadas para facilitar a interpretação e comparação entre estudos e informações sobre a precisão das estimativas.
  11. Avaliação da robustez dos estimadores utilizados para medir a precisão do impacto estimado.

Ao final do projeto, os verbetes, resumos e textos com meta-análises serão disponibilizados na web.